Nagymaros

Nagymaros é uma pequena cidade, situada na curva do Danúbio. Tem cerca de 5.000 habitantes, as estatísticas nacionais refutam o crescimento da taxa de natalidade e da população. Como resultado, a geração de jovens da cidade recebe mais atenção.

 Existem seis organizações que lidam com crianças deficientes e adultos.

 O desenvolvimento precoce do pequeno Maros, sob a direção de Anna Rita rétine Szalai inicia a preocupação e o desenvolvimento de crianças deficientes em idade precoce.  A professora Dr. Eszter Borko Hetényi como líder da Fundação Vándor Vackor defende a equoterapia individualizada para a deficiência auditiva, crianças prematuras e para aqueles que sofrem de doenças congénitas. 

O serviço de apoio de Nagymaros, como parte da diocese de Vác atende seis aldeias da sua área. É responsável pelo transporte de crianças deficientes a várias escolas especiais de Vac. Além disso, trata de cuidados domiciliários, bem como organiza diferentes programas culturais, tais como excursões, cinema, teatro, festa de Natal, etc.. 

A fundação Pax Corporis tem sido ativa em Nagymaros desde 2010. A presidente da fundação Dr. Annamária Rendessy, além de responsável pelo serviço médico, dedica muita atenção ao apoio das pessoas deficientes na cidade, e auxilia os pais em questões de higiene mental.  Existem duas instituições urbanas que lidam com crianças com deficiência, que estão integradas no sistema de ensino público.  "Smile" (bem-estar infantil e apoio administrativo) reúne três municípios. Tem a função importante de apoiar as famílias onde existe uma criança com dificuldades de aprendizagem, que dificilmente pode responder às exigências da escola. Além disso, esta organização ajuda a famílias socialmente retrógradas. Os voluntários tratam das crianças no período da tarde.

 O consultor educacional é uma instituição separada, mas está intimamente relacionada com a vida da escola primária. Os professores de deficientes fazem testes em crianças com 4 anos de idade para descobrir problemas como dislexia, disgrafia, discalculia e sintomas autistas. A criança, que tem um ou mais desses problemas, pode iniciar ou prosseguir a educação na escola primária, mas é necessário um cuidado extra. Este escritório organiza sessões individuais ou em pequenos grupos. O psicólogo da escola lida com crianças ansiosas e também hiperativas. Estas instituições relacionam-se bem umas com as outras, discutindo continuamente sobre os problemas, tentando reunir as suas fontes para ajudar as pessoas portadoras de deficiência em Nagymaros e nos seus arredores.  

 

Exemplos de boas práticas de inclusão :

"Inclusão na vida social"

Our participation in the In-Town project pointed to the problem that although Nagymaros has several institutions which are involved to support disabled and handicapped people, but there is not so many opportunity to solve the integration of these kind of people. NGOs and volunteers regularly organize trips for them in the area and cinema and theatre visits (2-3 times per month). Support Service of Nagymaros takes care of the transportation. Handicraft classes are organized during Advent season, where children can make cookies, prepare Christmas decoration. The pupils of the local primary school show Bethlehem’s play at nursing home in Nagymaros every year.The local institutions are trying to involve poor and needy inhabitants into the social life of the town too.

"O desporto, como ferramenta para a integração"

Nagymaros organizou a reunião sobre a inclusão do desporto em setembro de 2014. Durante o encontro, pudemos ver demonstrações de equoterapia e basquete. A equipa jogou com os alunos da escola primária de Nagymaros. O líder da equipa de basquetebol enfatizou que eles consideram os seus jogos e espetáculos como uma missão. É por isso que é tão importante visitar a nossa cidade. Os alunos estavam contentes por participar no jogo.

Infelizmente não são muitas as oportunidades de desporto para pessoas com deficiência na nossa cidade, contudo, podemos estar orgulhosos do Wohner Farkas por exemplo, que ganhou a medalha de ouro nos jogos Olímpicos especiais de Taivan.

No entanto, também podemos relatar outras histórias de sucesso. A equoterapia começou a desenvolver-se bastante há alguns anos, e esta atividade é a mais popular hoje em dia. A Dr. Eszter Borko Hetényi e a sua escola de equitação terapêutica alcançaram vários sucessos em muitas competições nacionais nos últimos anos.

Esta defende que é muito importante durante as sessões criar as condições perfeitas para o treino, estabelecer calma de espirito nas crianças e eliminar quaisquer perturbações exteriores. Os participantes do projeto puderam visitar a escola de equitação Taltos, onde Szilvia Mészáros - diretora da escola demonstrou com prazer este belo desporto. Por último, mas não menos importante, existe uma grande tradição de desportos aquáticos em Nagymaros, tal como canoa (Andrea Pitz, Kálmán Petrovics, Béla Petrovics são campeões do mundo) e polo em canoa.

Atualmente aumentou a popularidade de outros desportos (futebol, basquete, corrida e fitness). "Street Championship" em Nagymaros será organizado segunda vez neste ano. Este evento é realizado no dia 1 de maio. O principal objetivo deste programa é várias atividades competitivas para todos os cidadãos de Nagymaros independentemente da sua idade e condição de saúde. É um dia muito famoso da vida social local. O resultado é uma comunidade satisfeita e feliz, unida pelo amor pelo desporto.

 

 

"A inclusão de obras de arte"

Podemos saber mais sobre o mundo com a ajuda da arte. O prazer de criar motiva os alunos, as suas competências sociais podem ser desenvolvidas, assim, pode ser alcançado o complexo desenvolvimento pessoal. Vimos muitos exemplos durante o projeto In-Town. Por exemplo, a noite de pintura em Grevesmühlen, moldar argila com os olhos vendados em Nagymaros e a casa sueca criativa/arte comum. Vimos um exemplo particularmente bom em Loures com as pinturas nas paredes. Este método/ técnica poderia ser também aplicado na Hungria para reduzir a segregação social.

Existia em Nagymaros na década de 70, uma colónia de artistas famosos que está quase extinta. No entanto, uma geração jovem cresceu e podemos ver belos exemplos da arte de colaboração. A galeria Sigil abriu há dois anos, onde os artistas locais podem exibir as suas obras regularmente. Os professores criativos locais podem ser encontrados em eventos comuns em Nagymaros. Durante essas ocasiões, os participantes são introduzidos no prazer da criação.

Não existe um sistema educacional integrado em Nagymaros, no entanto, os estudantes devem saber mais sobre os membros da sociedade com deficiência, como as crianças cegas, surdas e deficientes para o desenvolvimento de empatia do aluno e inteligência emocional. Melhorar a comunicação é o elemento-chave para a cognição deste tipo de pessoas. Essa é a razão por que seria útil os estudantes poderem estar familiarizados com a linguagem gestual e Braille. Hoje em dia, a adoção e aceitação de culturas estrangeiras é cada vez mais natural, portanto, é crucial que os alunos sejam preparados para isso. A pedagogia tem uma função importante neste processo.

Devem ser as pessoas a ajudar a ultrapassar o medo em relação aos outros que são diferentes. Formar a comunicação pública e comum e conhecer os outros são fatores essenciais para atingir esta meta. O contacto pessoal também é necessário, o que é mais difícil na vida de uma comunidade mais pequena e isolada.

É importante que pessoas com deficiência e pessoas com outras culturas não se sintam estranhas, mas sim parte real parte da nossa sociedade.

 

 

"Função da música no desenvolvimento das pessoas com deficiência"

 

O professor Andas Pető, em 1940, criou um sistema único de ensino para adultos e crianças que têm deficiências motoras de origem neurológica. O sistema de educação condutiva oferece a oportunidade de evolução de toda a personalidade, no entanto, isso permite a cooperação, a interação no grupo e prepara a pessoa para a integração real.

A ideia base da teoria é o sistema nervoso central ainda tem reservas e pode construir novas relações, apesar de seus danos. Estas aptidões podem ser desenvolvidas com o controlo adequado do processo de aprendizagem. Hoje, o Instituto Internacional de Educação Condutiva Petö, tornou-se um centro intelectual, de investigação e formação em todo o mundo. O principal objetivo da escola de Pető é ensinar, educar, dar às pessoas alegria e apoiá-las, desenvolvendo bom ambiente na comunidade da escola.

A música cria comunidade. A música é fonte de prazer. A música ensina. A música é para todos. Os demais que não podem visitar as salas de concerto. Existe um ditado sábio na língua húngara: se a montanha não vai a Maomé, vai Maomé à montanha. Isto expressa que, se alguém ou alguma coisa não vem até nós, então, nós é que temos de ir. Portanto, foi assim que a música entrou na escola. Num ano, mais de cem músicos participaram nesta escola. Os momentos mais significativos não são apenas para a aprendizagem, mas também para o prazer e a experiência da comunidade. Os alunos ganharam muito mais conhecimento sobre os instrumentos e géneros musicais. 

 

 

Qual o projeto que causou maior impressão?

 

O projeto In-Town não só chamou a atenção para a importância da integração, como também foi possível observar alguns exemplos práticos em diferentes locais. Tivemos várias experiências profundamente emocionantes, quando visitámos instituições e encontrámos pessoas que dedicam as suas vidas aos outros.

Especialmente Carlos Mota, o mais simpático para nós, uma personalidade agradável, com empatia e fortes resultados. Pudemos observar as suas capacidades humanas quando cuidou dos seus alunos e os motivou durante o encontro em Nagymaros. Soubemos em Loures que ganhou o prémio de treinador do ano, o que foi merecido, honestamente.

Visitámos uma fábrica em Grevesmühlen, onde as pessoas com deficiência são capazes de trabalhar. Isto é muito importante para nós, porque nossa cidade planeia criar uma empresa similar. Impressionante o design e layout da fábrica e a divisão do trabalho.

Pudemos obter uma visão sobre o sistema escolar sueco em Laxa, o qual temos ouvido falar até agora. Impressionou-nos os métodos de ensino e profissionalismo dos professores. A filosofia do sistema de ensino não é apenas prática, é também humanitária, porque após a graduação, o sistema apoia a entrada no mundo do trabalho. Estamos satisfeitos por termos tido a oportunidade de aprender mais sobre o sistema de integração dos países participantes. 

 

 

Como podemos melhorar o desenvolvimento social nos nossos países?

Vimos boas práticas e sistema de educação integrado de diferentes países. É sabido que os desenvolvimentos e mudanças a nível de Estado são necessários para melhor o nosso país. Infelizmente, o oposto aconteceu há alguns anos atrás: algumas fábricas, que empregavam pessoas com deficiência, fecharam, os benefícios sociais foram reduzidos, bem como associações de apoio de pessoas com deficiência foram desaparecendo.

Hoje em dia, o setor económico está a mudar de forma positiva e parece que essas mudanças vão afetar positivamente o setor social também, o que significa que o apoio será mais intenso nos próximos anos. Começou-se a desenvolver a carreira de educador, com oportunidades de formação profissional e aumento dos vencimentos. Também estão previstos mais desenvolvimentos nos sectores sociais e da saúde.

A inclusão não aparece uniformemente na educação húngara. Embora os esforços de integração estejam mais fortes, o desenvolvimento ideal das crianças deficientes deve ser melhorado. É comum a "integração fria", sem a integração formal de condições de pessoal e materiais.

As crianças com dificuldades de aprendizagem estudam no sistema de ensino regular, mas as crianças deficientes estudam em instituições à parte.

A criação e difusão de escolas inclusivas na Hungria depende da restruturação do sistema de ensino público, da renovação das técnicas e ferramentas e de repensar os sistemas pedagógicos.

 

É necessária a mudança de atitude profissional, nas seguintes áreas:

 

  • Introdução da educação orientada para a personalidade, em vez de educação orientada para o desempenho;
  • Criação de grupos heterogéneos em salas de aula, como um substituto dos grupos homogéneos;
  • Promover a aprendizagem de descoberta, a criatividade, os procedimentos de cooperação;
  • Expansão do ensino diferenciado;
  • A cooperação efetiva de professores e profissionais dos serviços.

 

Além disso, seria essencial aumentar o vencimento dos professores e melhorar significativamente o financiamento da educação pública.  Em termos de filosofia de pensar globalmente, agir localmente, Nagymaros gostaria de enfatizar mais a integração da educação. Especialmente ferramentas de desporto e arte.

 

 

O que o projeto nos deu?

Para além de termos conhecido muitas pessoas agradáveis e amáveis durante as visitas, aprendemos muitas práticas, vimos bons exemplos sobre como melhorar a vida das crianças e adultos com deficiência.

Ficámos impressionados com a visita a uma fábrica, que empregava pessoas com deficiência em Grevesmühlen. É particularmente apelativo o tipo de atenção e cuidado que eles têm durante o trabalho. Vimos como se sentem bem. Tivemos o prazer de falar com eles. Foi especialmente agradável ver as atividades de tempos livres que são organizadas nas tardes, por exemplo tocar com Mike Reschke, e jogar e desenhar com Heidrun Lange.

O sistema educacional preferido foi o da Suécia. As crianças deficientes e saudáveis podem aprender juntas na mesma escola. Este é um dos níveis mais altos de integração que encontrámos. O sistema educacional na Hungria é separado, o que significa que as crianças com deficiência têm de aprender separadamente. Acreditamos que é muito importante as crianças saberem que também existem crianças diferentes. É útil para o seu desenvolvimento pessoal e cria uma mente aberta. O resultado seria a sociedade aceitar e apoiar mais facilmente as pessoas com deficiência.

Em Portugal ficámos impressionados com as instituições e internato que visitámos. Foi bom ver que estes lugares são confortáveis e as enfermeiras muito amáveis e gentis. Professores bem formados, boas instalações, um sistema de ensino bem organizado. Estamos muito orgulhosos de saber que Carlos Mota foi eleito treinador do ano.

Não pudemos observar pessoalmente o sistema polaco, mas vimos muitos bons exemplos através de apresentações. Ouvimos dizer que existem bons treinadores profissionais em Grzmiąca.

Pensamos que aprendemos muito e vimos boas práticas.

Embora as nossas possibilidades financeiras reais não permitam criar instituições educacionais semelhantes na nossa pequena cidade agora, já estamos mais perto de atingir os nossos planos e sonhos com a participação neste projeto. Este foi o primeiro passo para alcançar grandes sucessos. Existem bons exemplos de que pequenos passos têm enormes resultados positivos.

 

 

Em que tópico podemos imaginar a troca de experiência?

Os contactos profissionais e amizades pessoais formados durante as reuniões.

Estamos muito orgulhosos do acordo da rede de cidades com Grevesmühlen, assinado em Nagymaros em 2014. A cooperação civil e oficial entre as duas cidades, tem vindo a desenvolver-se desde os anos 60. Estamos ansiosos por dar continuidade ao nosso relacionamento, com os programas de intercâmbio de estudantes e cooperação cultural.

Além disso, pretende-se melhorar a integração das pessoas deficientes em campos de desporto e educação artística, na escola primária local. Consideramos ser importante mudar as experiências, pedindo apoio e opinião dos profissionais, que têm muitos anos de experiência.